jusbrasil.com.br
16 de Maio de 2021

Mais amor, por favor!

Amar, sim, é um ato revolucionário.

Taysa Matos, Professor
Publicado por Taysa Matos
há 7 anos

Após o resultado da eleição uma onda de ódio e preconceito tomou conta das redes sociais contrariando tudo que se prega sobre Estado Democrático de Direito e a construção de uma sociedade justa e solidária. Outubro termina embalado por esse discurso hostil que só desconstrói a ideia de sociedade democrática que respeita e defende os direitos de todos. Por isso, para acabar com essa intolerância preconceituosa, mais amor, por favor!

Amor é fogo que arde sem se ver

é ferida que dói, e não se sente;

é um contentamento descontente,

é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;

é um andar solitário entre a gente;

é nunca contentar-se de contente;

é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;

é servir a quem vence, o vencedor;

é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor

nos corações humanos amizade,

se tão contrário a si é o mesmo Amor?

Luis Vaz de Camões

Camões, em um de seus mais belos poemas, diz que o amor é contraditório, pois, ao mesmo tempo em que propõe lealdade, contentamento e bem querer, afirma ser um andar solitário, descontentamento, o perder e servir a quem vence o vencedor. O amor é um sentimento imensurável, que arde sem se vê, é a entrega mais protegida e a prisão mais consentida. É o amor!

Se o amor é tão contraditório, como dizer que ele é legitimador do Direito? Como afirmar que é por ele e através dele que se busca a justiça, na defesa e na acusação, que comportamentos e ações se transformam, que o agir humano se funda? Como afirmar que um sentimento profundo, da alma humana, indomável, inconstante, irracional, sem limites, pode servir de base ao reconhecimento da dignidade, inerente a todos os seres humanos, de seus direitos iguais e inalienáveis, que são fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo? (Declaração Universal dos Direitos Humanos).

O amor é a expressão da totalidade do ser, que se aperfeiçoando no outro, permite enxergá-lo não como um último recurso, mas como o principal protagonista do próprio Direito. E a construção desse direito, inevitavelmente, está associada à procura da outra metade que nos completa. Uma metade sem rosto e sem identidade, a que não se esvazia com a diversidade e a pluralidade, mas que se efetiva, como disse Saramago, em um Direito que se respeite, em uma Justiça que se cumpra. Uma metade que nos faz ouvir o “grito” que ecoa na dor que não se sente, na capacidade de olhar para o espelho e ver refletidos a ilusão e o real, as rupturas e as portas para novos caminhos e novos Direitos.

O amor possibilita aperfeiçoar um ser humano a outro, permite o realizar-se. No direito, essa realização pode estar na palavra que subjuga a razão, no desejo que impulsiona o agir, no ato da comunicação, compreendido como expressão de amor. Pode estar ainda na diferença e na autonomia de enxergar no outro um potencializador de mudanças.

E, apesar de todas as contradições existentes no amor, não há como deixar de vivencia-lo nas relações humanas, nem como desconsiderar sua relevância para o Direito, já que ele possui em sua estrutura constituinte o amor genérico, racionalizável, entendido como renúncia ao interesse particular em favor do coletivo. Esse amor, como fundamento do Direito, às vezes pouco confiável, se apresenta como amor pelo todo e para todos.

Dessa forma, Direito e amor, por vezes, podem percorre trajetos distintos ao longo de um percurso, entretanto, sendo o amor universal um desejo que se converte na raiz de todas as virtudes, torna-se um princípio de unidade e reciprocidade existente na essência de um Direito justo, uma vez que carrega certa complacência entre o amante e o objeto amado, ou seja, o amor traz ao Direito uma afeição pelo Todo, pelo Bem e pelo Justo.

Enfim, voltando a Camões, “mas como causar pode seu favor, nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor?” Com isso, por completa falta de parâmetros, para justificar e dimensionar o amor, só me resta dizer que na vida e no Direito: ”A medida do amor é amar sem medida” (Victor Hugo).

Taysa Matos

63 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Ok professora, é uma proposta decente e inteligente - AMAR...
Endossamos...
porém é preciso ser realista e reconhecermos que a presidenta (com o empurrão do presidento) são as primeiras e sem nenhum pudor - as principais (primeiras e primeiras) autoridades "neste país" a não apenas propor como a praticar imediatamente um APARTHEID nacional.
Fica a triste constatação de que já estamos por demais avançados num golpe de bolivarização com a ferramentaria da democracia (o Hamas e outros grupos extremistas em outros lugares, aliás na Venezuela, fizeram exatamente igual).
E apenas para nos lembrar da história: o nazismo já tinha esta cara quando estava num estágio avançado.
Não é histerismo gratuito.
O STF já está aparelhado pela metade (o TSE neste momento TODO) - Veja-se o desdobramento da segunda fase do mensalão. Amanhã o José Dirceu vai para casa.
É o último dos políticos que ficou um pouquinho na cadeia. Ninguém mais está lá. Desse jeito "o crime compensa".
O juiz Moro já "está" vítima de uma maquina de triturar vozes da consciência nacional.
Neste momento, AMAR É:
- Encontrar e praticar todas as formas legítimas de manifestação e resistência ao que já é um estágio avançado de GOLPISMO nas instituições democráticas de nossa nação.
- Racismo NÃO, Regionalismo xenófobo tbem NÃO, Depreciações "nós e eles" também NÃO...
Mas é preciso se manifestar e FAZER algo para brecar este trem. A nossa boa fé e leniência são um perigo e já permitiram estragos quase irremediáveis.
ESTÁ QUASE TUDO APARELHADO PELO PT NESTE PAÍS, INCLUSIVE O CONTROLE DAS MENTES DOS MAIS POBRES E HUMILDES DO NOSSO BRASIL. continuar lendo

Vai meu comentário de apoio :
"Como sofri indiretas ou diretas em redes sociais, de pessoas que discordavam do meu pensamento, do tipo"Saudades do "paredón" de Fidel Castro"que resolveria tudo isto, não vejo que"Após o resultado da eleição uma onda de ódio e preconceito tomou conta das redes sociais". Esta onda já existia, e muito forte, só que agora percebi algumas destas pessoas ensaiando algumas desculpas em seus ciclos de amizade, tão somente porque o objetivo da vitória havia sido alcançado. Sou descendente de nordestino e tenho familiares no nordeste, sudeste e sul do pais, para mim foi muito triste ver a pregação da separação, ver a pregação de superioridade do povo nordestino sobre o povo do sul, ver a pregação de superioridade do povo do sul sobre o do nordeste. Mas do ódio que se pregou ficaram feridas que, talvez em um momento de luz em nosso país, possam ser cicatrizadas. Abraço." continuar lendo

Não estou justificando a onda de insultos causados nas redes sociais, mas é revoltante você ter que pagar pelo erro dos outros.
O nosso país é democrático, mas ao mesmo tempo comunista. O Lula se acha dono do Brasil, sem contar com os números de corrupções que estão vinculados ao partido PT. O Brasil está totalmente sem moral e respeito na política. Se não fosse o Joaquim Barbosa nós estaríamos pior, com a impunidade aumentando a todo vapor. continuar lendo

“Presidente do STF - Joaquim Barbosa.

Que medida estrutural ele tomou contra a corrupção ?

Legitimou a Operação Satiagraha, a mãe de todas as corrupções ?

Não !

Abafou-a e não julgou o RE 680967.

E sobre a Lei Orgânica da Magistratura, a Loman, baixada pelo último presidente militar do ciclo de ditadores, João Batista Figueiredo.

A Loman é o ponto onde se concretiza o corporativismo do Judiciário: faz com que um Juiz corrupto seja aposentado com salário integral.

O Judiciário, assim, é o ÚNICO poder ainda regulado por uma ordenação dos militares !

E Barbosa não enviou um projeto de lei ao Congresso para altera-la.

Não quis cortar a corrupção na própria carne !

E Dirceu e Genoino ?

A decisão de Barbosa sobre Dirceu está TODA errada !

Por que ?

Porque ele não aceitou que o Supremo tivesse derrubado o crime de quadrilha e fez impor sua solitária vontade: manter o crime de quadrilha e, com isso, não deixar o Dirceu trabalhar !

Porque a vontade dele se sobrepõe à do Supremo !

E Barbosa exibe dois dos maiores símbolos do trabalhismo brasileiro – Dirceu e Genoino – como troféus, prova de Sua Suprema Autoridade.

O critério que ele utilizou – só pode trabalhar depois de o preso cumprir 1/6 da pena – só vale para quem foi condenado ao regime fechado.

E os dois foram condenados – e Deus sabe como ! – ao semi-aberto.

De novo, ele trata os dois como se tivessem sido condenados ao regime fechado porque ele, e só ele, acha que o crime de quadrilha não caiu.

E, portanto, caiu também o “domínio do fato”, porque Dirceu não poderia ter domínio de fato sobre uma quadrilha inexistente.

Ou seja, ao derrubar o crime de quadrilha, o próprio Supremo desfez o julgamento do mensalão (o do PT, porque o mensalão tucano se dissipará como uma nuvem).

Barbosa subverte a lógica da legislação prisional.

O preso tem que ter a perspectiva da progressão da pena, para que mantenha viva a esperança de se re-integrar-se à sociedade.

E não mergulhar, na cadeia, na marginalidade irreversível.

A progressão – ou seja, o direito de trabalhar, quando condenado ao semi-aberto – reforçará a expectativa de o preso se re-inserir na realidade do lado de fora da prisão.

Barbosa nega todos os componentes “civilizatórios” da pena, ao obriga-los ao regime fechado.

É, de novo, e sempre: porque, para ele, o crime de quadrilha não caiu !

O que marca a Presidência de Barbosa, no combate à corrupção ? – o que parece ser o seu mantra.

Ele preservou o corporativismo da Loman.

Manteve intocada a Satiagraha.

E agora, pelo jeito, vai para cima da filha do Dirceu, que cometeu o crime hediondo de “furar a fila” para ver o pai.

Sabe quem furou a fila, ansioso blogueiro ?

A AP 470, que foi julgada antes do mensalão tucano.

Essa foi a mãe de todas as “furadas de fila”!

Em tempo: de amigo navegante perplexo:

Ou as decisões de Joaquim Barbosa têm fundamento legal ou os demais membros da STF são cúmplices. continuar lendo

Ao Gilmar Mello,
Todo PTista reage assim. Tá gostando do Governo atual?

Não vamos nos igualar aos PTistas. Não vamos radicalizar.

Não vamos dividir o país.

Devemos lutar buscando corrigir as demagogias dos políticos.
Lutar para acabar com o voto de cabresto e o voto de legenda (e suplência) porquê isso elege pessoas que o povo, na sua maioria, não escolheu e por isso essa corja eleita aprovam leis só para benefício deles.

Quanto ao JB, poucos humanos têm "cacife" para falar dele. continuar lendo

A campanha de ódio continua a ser disseminada. Dentre os que não conseguiram eleger seu candidato, existem muitos indignados e raivosos. E vão continuar destilando ódio e veneno pelos próximos 4 anos, e tentando contagiar outras pessoas com seus venenos. O que fazer? continuar lendo

é preciso não confundir ódio com desabafo.
não se trata de ódio, nem de veneno, mas deflagrar campanha para tomada de posição para afastar o câncer da corrupção e da mentira deslavada... é preciso ser! ser cidadão..., ser brasileiro...., ser honesto.... limpe sua mente... abra seus olhos.... tome atitudes...não tenha medo da mudança .... prometeram esperança e deram pesadelo... prometeram gerar emprego e criaram as "bolsas"... prometeram justiça social e a insegurança tomou conta do País.... prometeram acabar com a pobreza e a miséria está tomando conta ...Acorda!!!!! continuar lendo

Caráca, André, se vc não viu tudo aquilo como desabafo cheio de ódio, eu não queria estar perto de vc quando for 'desabafar'. Só de ver na TV já entrei em pânico....
Mudar por mudar não leva a nada e, neste caso, seria pra pior, pois a lista está cheia de preconceituosos, assassinos físicos e morais da dignidade humana.
Perceber q foi traído - ou roubado, o q dá na mesma - dá MUITA raiva sim, mas isso já acontece há séculos no Brasil e não é justo q uma só pessoa pague o pato por todos os males q existem no país. Até mesmo pq acabamos de ser testemunhas de q presidente, aqui, não apita nada. Só se for numa ditadura militar, coisa q eu quero bem longe de mim! continuar lendo

Amigo isso se chama "oposição" vai se acostumando, o PT fez muito isso, agora é nossa vez. Somos contra a corrupção no poder. continuar lendo

Adauto, se para você fazer valer os direitos de cidadão é espalhar o ódio, é porque você é igual aos nossos governantes. Me desculpe. continuar lendo

Mais amor, por favor, agora?
Citando Camões, Adauto, a ilustre professora esqueceu do Lula e a campanha odiosa do PT em busca da perpetuação do poder contra todos que estivessem em seu caminho sonhando com uma vida diferente.
Depois das eleições, fica fácil demais!
Prefiro acreditar que a sutileza de matéria não seja mais uma obra da mesma MAV (Militância em Ambientes Virtuais). continuar lendo

Todas as pessoas, indiscriminadamente, são seres humanos, diferentes entre si, porquê cada um é um ser único pois, todos somos filhos de Deus.
O que precisamos é parar de ficar enfatizando nordestinos, sulistas, gays, negros, mulheres, héteros, etc.
pois, isso só faz aumentar o preconceito e discriminações, até mesmo o ódio.
Precisamos enfatizar que o SER HUMANO É UMA POVO ÚNICO, SEM DESIGUALDADES!
Nós temos de Deus o privilégio do LIVRE ARBÍTRIO e, portanto,
devemos o respeito mútuo sem olhar os demais como acima ou abaixo de nós mesmos.

Não vamos dividir o país. O Brasil é gigante em seu esplendor e poderoso através do seu povo que, infelizmente, ainda não aprendeu a lutar.

Devemos lutar buscando corrigir as demagogias dos políticos.
Lutar para acabar com o voto de cabresto e o voto de legenda (e suplência) porquê isso elege pessoas que o povo, na sua maioria, não escolheu e por isso essa corja eleita faz leis só para benefício deles.

Vejam no STE os resultados das eleições para Deputados.
Aquele no qual você votou pode não ter sido eleito e,talvez, teve muito mais votos do que aqueles que foram eleitos.
Aí eles replicam: Vocês é que escolheram. Mentira. Meu candidato teve 47.335 votos e não foi eleito e sim foram eleitos 13 deputados com quantidade de votos menor que 47.335 e eu não os escolheria. continuar lendo

quem começou a campanha do ódio foi seu guru, o molusco chefe dos corruptos!!!

voces querem fazer desse país uma cuba, mas não vão conseguir !!!!

infelizmente voce é formadora de opinião, levando seus alunos a serem bolivarianos até a medula !!!! continuar lendo